10 passos para o seu filho dormir melhor e na cama dele

filho dormir na cama dos pais

Co-sleeping vs dormir em cama própria

A partilha da cama dos pais durante noite é uma realidade em muitas casas portuguesas, como a solução possível para o filho dormir. É verdade que a larga maioria das crianças vai acabar por ficar na sua própria cama um dia, mas esse dia pode demorar e podemos ajudar para que essa transição ocorra mais cedo. Tenho algumas reservas em relação aos métodos universais, porque é preciso ter em conta as características de cada criança e da família. Mesmo assim, podemos considerar alguns princípios que ajudam a maior parte das pessoas:

  1. Necessidade. As crianças que dormem com os pais tendem a ter mais despertares noturnos e a deitar-se mais tarde (verifique quantas horas deve dormir o seu filho). As consequências do sono insuficiente são bem conhecidas: irritabilidade e problemas de atenção, entre outros. Para além disso, aprender a dormir sozinho é um passo importante para a autonomia e segurança das crianças. A partilha da cama perturba também o sono e a intimidade dos pais.
  1. Tempo de qualidade. É importante procurar um emprego e um estilo de vida que nos deixe tempo para passar bons momentos de dedicação exclusiva e de boa disposição com os filhos antes da hora de ir dormir. O tempo de qualidade dá “créditos” que tornam a separação da noite mais fácil para os pais e para os filhos.
  1. Confiança. O seu filho vai resistir à mudança dos velhos hábitos e rotinas. Vai protestar, zangar-se e até chorar como protesto. Mas, se existe afecto e o ponto anterior foi assegurado, ele tem todas as condições para enfrentar este pequeno desafio de crescer. Acredite que o seu filho tem capacidade para se adaptar às muitas mudanças que vai encontrar ao longo da vida.
  1. Rotinas. A rotina de ir para a cama é uma sequência positiva de acontecimentos que acontece quando se aproxima a hora de dormir e deve ser igual ou muito parecida todos os dias. A previsibilidade dá segurança e a repetição e firmeza ajudam a cumprir as regras e criam um ambiente de desaceleração até ao adormecer. A hora de deitar ideal? É aquela que permite um tempo de sono adequado (é só fazer as contas…)
  1. Comida. O “snack” não deve fazer parte da rotina do adormecer. Se a criança já jantou há muito tempo, deve comer antes de iniciar a rotina de ir para a cama para não associar o adormecer ao leite, por exemplo. Os dentes devem ser lavados depois de comer.
  1. Companhia e autonomia. Numa fase inicial, os pais podem acompanhar a criança no seu quarto, ao lado da cama, diminuindo progressivamente o contacto físico à medida que sossega. São de evitar muitas conversas depois de apagar a luz (pode fechar os olhos e ficar “adormecido”). Numa segunda fase, quando o adormecer estiver mais fácil, os pais podem sair do quarto por períodos e tranquilizar do lado de fora do quarto com frases curtas e monótonas como “a mamã está aqui, está tudo bem, são horas de dormir”.
  1. Consolo. Chorar um pouco pode ser uma forma saudável de protesto e de expressar frustração nas crianças. Não sou apologista de deixar chorar indefinidamente, porque isso pode ser percecionado como abandono. Deve voltar ao quarto em intervalos de alguns minutos para tranquilizar o seu filho, dando-lhe depois uma nova oportunidade de adormecer sozinho.
  1. Consistência. Quando a criança já consegue sair da sua cama para ir para a cama dos pais durante a noite, deve ser reconduzida à sua cama sem agressividade mas com tom de voz firme, tantas vezes quanto forem necessárias. A aprendizagem necessita, muitas vezes, de repetição.
  1. Investimento. No final de um dia cansativo, é fácil ceder à tentação de trazer a criança para a nossa cama. Por outro lado, ser consistente nas rotinas parece trazer maior cansaço no dia seguinte. Considere esta fase como um investimento. No final, todos dormirão melhor.
  2. As exceções existem: pesadelos, fases difíceis, doença… O problema é quando a exceção se torna regra! Retome as rotinas logo que seja possível e espere alguma resistência. Com amor e persistência poderá recuperar o sono mais tranquilo.

Revisto a 4-5-2015

Título anterior “O meu filho só consegue dormir na minha cama”

Partilhar
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestShare on Google+Email this to someone

Filipe Glória Silva

Pediatra do Desenvolvimento Developmental Pediatrician

You may also like...

3 Responses

  1. susana diz:

    boa tarde,tenho uma menina linda a que foi diagonosticado aspergen ,ela tem 12 anos ,e no dia que fez os 12 anos ,começou a dormir sozinha depois de muitas tentativas ,desde mudar a decoraçao do quarto dela varias vezes sempre com a promeça dela de ir dormir sozinha ,nunca ia ja estava quase a desetir quando ela diz a partir de hoje vou dormir para minha cama e correu muito bem ate hoje que ja la vao quase dois meses e uma luta ,mas mais uma foi vencida ,eu custumo dizer ela nao pediu para vir a este mundo ,e se ca esta eu tenho de amar todos dias e vencermos as nossas lutas todos dias ,somos felizes ca em casa ,e digo em relaçao as regras de dormi desde de bebe que vai para cama cedo ainda hoje as 9 e meia maximo dez esta na cama,cada criança e um caso e nos familia e que temos de lutar com ele ate conseguirmos,melhor eles decidirem,força a todos ,bjs….

    • Obrigado por partilhar. As crianças surpreendem-nos! Conheço uma menina que sempre dormiu com os pais e, um dia, aos 6 anos, depois de falarmos varias vezes sobre este assunto, disse que queria ir para o seu quarto. E foi de vez! De qualquer forma, podemos ajudar a fazer esta transição mais cedo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Verificação anti SPAM * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.